A moda de olho na arte de Gustav Klimt

 

1-       A obra Adele Bloch-Bauer I.

2-       A obra Hope, II, 1907-1908.

3-       Vestido Christian Lacroix’s

4-       Carteira Christian Lacroix’s

5-       A alta costura de Oscar de la Renta

6-       Vestido Vera Wang.

7-       Look Jonathan Saunders’

8-       Vestido Duro Olowu

9-     A obra Dancer, 1916-1918.

A moda quando olha para a arte fica muito mais interessante. O style.com  traz essa semana as marcas que usaram Gustav Klimt como inspiração. De Hussein Chalayan a Oscar de la Renta, trabalharam elementos, como o ouro, que são características nas obras do pintor. Na moda conhecemos o DNA de cada marca que apostou no Klimt como inspiração, mas o que você conhece do artista?

 

Para ajudar a entender mais desse pintor, aqui está um pouco da sua história.

 

 

 

Fantasias douradas
Em 1894, ao receber a incumbência de pintar três grandes painéis para o teto do auditório da Universidade de Viena, o artista Gustav Klimt provocou escândalo. Os professores e diretores da Universidade de Viena ficaram chocados. Acharam que aquilo era uma provocação, um emaranhado caótico e sem sentido de imagens, algumas delas supostamente beirando a pornografia.

Ao representar as figuras da Filosofia, da Medicina e da Jurisprudência — os três cursos da Universidade –, Klimt deixara de lado o estilo que o consagrara até ali. Entre outras obras, ele já havia assinado a decoração do teto e das escadarias laterais do imponente Teatro Municipal de Viena, além de ter finalizado o projeto de decoração do Museu de História da Arte da cidade. Era, portanto, quase uma espécie de muralista oficial, filiado à Sociedade dos Artistas Vienenses.

Mas, dessa vez, nos painéis da Universidade, lançara mão de alegorias inusitadas, em que corpos nus femininos eram apresentados em poses tidas como obscenas, enquanto os rostos, com olhos semicerrados e bocas entreabertas, passavam um ar de lascívia e de uma mórbida sensualidade. Sem falar que, ao abandonar o olhar realista e adotar os maneirismos da art nouveau, Klimt provocou duplo espanto entre os tradicionalistas.

Em 1906 conheceu Egon Schiele em cuja obra exerceu grande influência.

A polêmica teve início em 1900, quando Gustav Klimt, já rompido com a conservadora Sociedade dos Artistas Vienenses, passara a dirigir uma entidade dissidente, a Secessão de Viena. Em uma exposição patrocinada pelo novo grupo, exibiu o primeiro dos três painéis, A Filosofia. Alvo de acirradas controvérsias, prosseguiu no trabalho durante mais alguns anos, aem 1905 retirou os painéis e devolveu seus honorários , após receber uma saraivada de críticas que extrapolou os muros da Universidade e reverberou na imprensa local.. O último painel, A Jurisprudência, foi concluído somente em 1907.

Livre das amarras oficiais, Klimt deu prosseguimento a sua carreira com uma dose ainda maior de liberdade. Deixou a Secessão para, com outros colegas, fundar o chamado Grupo Klimt. Apesar do escândalo dos painéis para a Universidade, tornou-se o artista predileto da sociedade local, destacando-se como um retratista original, especializado em pintar rostos femininos envoltos em uma esmerada ornamentação, o que viria a se tornar uma marca registrada.

Seus trabalhos mais famosos pertencem à chamada “fase dourada”, na qual mais uma vez retratou preferencialmente mulheres, de forma quase figurativista, mas em que as figuras humanas são adornadas por espirais, arabescos, pequenos objetos e formas geométricas. O aspecto naturalista das mãos e corpos contrasta com o fundo exuberante e fantasioso.

Barbudo, na maioria das vezes envolto em uma túnica escura sem colarinho, Gustave Klimt tornou-se uma figura exótica, célebre por seus muitos casos amorosos. Ao longo de muitos anos tentou, sem sucesso, ser admitido na Academia de Arte de Viena. Só em 1917, aos 55 anos, recebeu o devido reconhecimento, ao ser eleito membro honorário daquela entidade. Não houve tempo, contudo, para desfrutar de tal homenagem. No início do ano seguinte, em janeiro, sofreu um ataque de apoplexia e morreu quase um mês depois.

 

Fonte do texto sobre Klimt: Folha Online

 

 

4 Respostas

  1. Luciene

    A-do-ro Klimt e por isso amei ver o post . Recentemente saíram as fotos de moda com Juliane Moore para a Bazaar de maio (EUA) com reproduções de telas grandes artistas. Tem Klimt, Schiele e muitos mais…

    28 de abril de 2008 às 6:49 am

  2. Samanta

    Adoro o seu blog. Conheço a Catarina e agora que leio seus posts entendo como porque é uma revista tão boa e diferente das outras. Parabéns pelo trabalho.

    28 de abril de 2008 às 1:21 pm

  3. Amei essas roupas mas poderiam ter algum tom de rosa mais forte pq amo rosa!!!!!

    10 de novembro de 2009 às 11:27 pm

  4. Amei o desenho da roupa que é roxa, é muito lindo e catito!!!!!

    10 de novembro de 2009 às 11:30 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s